explorar
ordensfamíliasgéneros

ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVWXZ

    Vicia peregrina L.
    Fabales > Fabaceae > Vicia > V. peregrina (comparar)
    ervilhaca-errante, ervilhaca-dos-campos
    autóctone
    Az
    Ma

    Distribuição mapa em constante actualização

    12 registos centrar | como citar

    espontâneo
    anterior a 1990 ou s.d.
    nova quadrícula
    escapado de cultivo
    extinto

    Detalhes

    Ecologia
    Campos agrícolas de sequeiro, cultivados ou incultos, searas, prados na bermas de caminhos. Em locais secos, frequentemente em solos básicos.
    Interacções bióticas
    Podem ser parasitadas por: Orobanche crenata?
    ? interacção não confirmada
    Tipo biológico
    Terófito
    Categoria de risco de extinção em Portugal Continental segundo critérios IUCN
    Vulnerável
    Avaliação na Lista Vermelha da Flora Vascular de Portugal Continental
    Vicia peregrina é uma trepadeira anual que habita em orlas e vedações de culturas de sequeiro e de olivais tradicionais de sequeiro, em solos básicos. Em Portugal, distribui-se de forma muito dispersa pelo centro e sul, em quatro subpopulações, sendo a maior (e também a mais ameaçada) no Baixo Alentejo. Esta é composta por cerca de seis núcleos dispersos, a maioria bastante pequenos (poucas dezenas de indivíduos). O maior núcleo conhecido não chega à centena de indivíduos. As restantes subpopulações são bem mais pequenas, em duas delas só se conhecendo um núcleo populacional, embora seja provável que haja ainda núcleos por descobrir. Avalia-se como Vulnerável porque tem uma área de ocupação reduzida e uma extensão de ocorrência baixa, oito localizações confirmadas e um declínio observado na área e qualidade do habitat, que permite inferir um declínio populacional continuado, suportado também pela provável extinção de alguns núcleos. As maiores ameaças são a expansão e intensificação agrícola em larga escala no Baixo Alentejo e a aplicação generalizada de herbicida, que ameaçam todos os núcleos desta subpopulação. A conservação da planta requer que seja garantida a sobrevivência dos maiores núcleos, que são também os mais ameaçados. Para isso, deve ser implementada uma rede de conservação de habitats arvenses de sequeiro, orientada à conservação de todas as espécies ameaçadas que estão associadas a estes sistemas, e que geralmente ocorrem juntas. Dada a complexidade do problema, deve ser elaborado um plano de conservação dedicado conjunto, que maximize os benefícios em sinergia com outras espécies.

    Dados

    Floração (n=9)
    Altitude (n=10)
    Distância ao mar (n=10)
    Download de mapas

     


    a carregar...