explorar
ordensfamíliasgéneros

ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVWXZ

    Silene mellifera Boiss. & Reut.
    Caryophyllales > Caryophyllaceae > Silene > S. mellifera (comparar)
    silene-melífera, silene-de-monchique
    autóctone
    Az
    Ma

    Distribuição mapa em constante actualização

    34 registos centrar | como citar

    espontâneo
    anterior a 1990 ou s.d.
    nova quadrícula
    escapado de cultivo
    extinto

    Detalhes

    Ecologia
    Comunidades rupícolas em afloramentos rochosos, taludes. Em locais sombrios, em substratos ácidos e pedregosos.
    Tipo biológico
    Caméfito, Hemicriptófito
    Categoria de risco de extinção em Portugal Continental segundo critérios IUCN
    Vulnerável
    Endémica de
    Península Ibérica
    Avaliação na Lista Vermelha da Flora Vascular de Portugal Continental
    Silene mellifera é uma planta endémica do centro e sul da Península Ibérica que em Portugal continental ocorre apenas na serra de Monchique e nas serras do Sudoeste Alentejano, em taludes pedregosos e orlas de bosques. É avaliada como Vulnerável porque apresenta reduzida extensão de ocorrência e área de ocupação, um reduzido número de localizações identificadas (seis) e está identificado um declínio continuado na área e qualidade do seu habitat. Além disso, infere-se o declínio continuado da população nacional, a qual se estima ser constituída por menos de 1000 indivíduos maduros. Assinalam-se várias pressões significativas das quais se destacam os povoamentos florestais de eucalipto, cuja expansão e gestão têm sido responsáveis por destruição de extensas áreas de habitat nas últimas décadas. Outras pressões relevantes são os incêndios florestais recorrentes, os quais, além de provocarem a destruição de núcleos, potenciam a expansão de espécies exóticas como as acácias e as háqueas. Para conservação dos núcleos conhecidos e das áreas com habitat potencial, deverão ser implementadas medidas como a proibição do uso de herbicidas nas ações de gestão de vegetação, promover o controlo de arbóreas exóticas e impedir a destruição de matagais, soutos e bosques para instalação de novos povoamentos florestais de eucalipto. Sugere-se a colheita e armazenamento de sementes em bancos germoplasma e a criação de coleções de plantas vivas em jardins botânicos. A tendência populacional dos núcleos deverá ser acompanhada através de monitorização periódica, acompanhada por estudos de dinâmica populacional e de confirmação dos registos indicados para o vale do rio Sado e ribeira de Odivelas.

    Dados

    Floração (n=16)
    Altitude (n=33)
    Distância ao mar (n=33)
    Download de mapas

     


    a carregar...